cieloambiental@gmail.com

Fone cel: (54) 9.8132-5141
Notícias

Tráfico de animais movimenta R$ 39 bilhões por ano no mundo, diz ONG

Tráfico de animais movimenta R$ 39 bilhões por ano no mundo, diz ONG

Relatório divulgado pelo WWF diz que dinheiro fortalece redes criminosas.
Além disso, segundo a ONG, a prática acelera a extinção de espécies.

Relatório divulgado nesta quarta-feira (12) pela organização não governamental WWF aponta que o comércio ilegal de animais selvagens representa cerca de US$ 19 bilhões anuais (cerca de R$ 39 bilhões), dinheiro que fortalece redes criminosas, compromete a segurança de países e ameaça a saúde da população. Além disso, segundo a ONG, a prática acelera a extinção de espécies.

Segundo o documento apresentado em encontro com embaixadores realizado na Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, o comércio ilegal de animais selvagens ocupa a quarta posição no ranking de transações ilegais, que inclui ainda a falsificação de produtos e o tráfico de seres humanos.

Para o WWF, os lucros obtidos pelo tráfico de animais selvagens são “utilizados para comprar armas e financiar conflitos civis”. O documento aponta ainda que o dinheiro proveniente da prática criminosa ajuda a financiar células terroristas em países africanos instáveis, ameaçando a segurança nacional. Ainda segundo a ONG, rotas utilizadas para o transporte de animais são aproveitadas por outros comércios ilegais, como o tráfico de drogas.

Implicações para a biodiversidade
O relatório informa que o tráfico ilegal de animais selvagens pode causar danos irreversíveis à biodiversidade. Ele cita que recentemente houve uma drástica redução da população de muitas espécies silvestres de alto valor comercial, como elefantes que vivem em florestas do Congo, o rinoceronte-de-Sumatra, o rinoceronte-de-Java e o elefante-asiático.

Outra associação feita ao comércio de espécies, legal ou ilegal, é a introdução de animais invasores, que prejudicam a cadeia alimentar de um determinado ecossistema. Um exemplo é a introdução de cobras da espécie píton-birmanesa nos Estados Unidos.

Levantamento recente feito por cientistas afirma que a invasão de cobras no sul da Flórida tem contribuído para o desaparecimento de pequenos mamíferos na região, antes detectados com maior frequência.

Implicações à saúde
O tráfico de animais também pode estabelecer um mecanismo de transmissão de enfermidades em escala global. De acordo com o relatório, quase 75% das novas doenças infecciosas que atingem os seres humanos são de origem animal, sendo que a maioria delas se originaram na vida silveste.

Combate ao crime internacional
Os entrevistados para o relatório apontam que o tráfico de animais é quase sempre visto pelos governos como que exclusivamente um problema ambiental, não sendo tratado como um crime transnacional e de questão jurídica.

“Não é apenas uma questão de proteção ambiental, mas também de segurança nacional. É tempo de colocar fim a esta ameaça profunda para o Estado de Direito”, explica Jim Leape, diretor do WWF Internacional, em comunicado divulgado pela ONG.

Fonte: Do Globo Natureza, em São Paulo

Foto: University of Florida, Michael R. Rochford/AP

 

 

0 Comentários

Deixe uma resposta